sexta-feira, 1 de junho de 2012

VISTE KOYAANISQATSI?








O Cronista na Praia
 (ilustração: Pelicano)



Jamais saberei se estás em minha idade: um inapelável sessentão. Ai, tantas pedradas, quantas notas em dó, muito vinho avinagrado na garganta! Fumando umas coisas, víamo-nos uns nos outros e nos relacionávamos com a natureza, entre Pink Floyd, Charlie Parker e Joan Baez. Nem posso adivinhar, dileto leitor, em que ocasiões te bate a sensação de tempo perdido. Mas, se nunca o tens, não te felicito. O tempo nos pesa e haverá entre nós o liame irreversível de nos havermos estado no eito da mesma ponte: a loucura dos anos que passaram.






Cena de Koyaanisqatsi (1982), de Godfrey Reggio




Apresento-me.  Sou da geração dos filmes de Godard. E os tínhamos sem renitência, pois não era de bom tom  (e nem o queríamos) abandonar as sessões de cinema pela metade. Nem namorávamos a contento, alucinados pelos intermináveis planos-sequências,  montagens descontínuas, gestos improvisos e diálogos etéreos, decerto em alegoria à fome no mundo, à injustiça e censura às liberdades individuais. Perturbadores eram os encontros com os amigos, taciturnos cinéfilos: “E aí, gostaste?” E respondíamos reverenciais e solenes: “Jean-Luc é o máximo!”.






Koyaanisqatsi (1982)




Vivi o drama de acostumar-me a mais essa dissimulação. Só depois alguém opinou que os franceses faziam filmes baratos, chatos e difíceis de entender, ou seja, de arte. E os louvávamos: era nossa reação ao imperialismo ianque e suas guerras. Os tais realizavam fitas caras e fáceis, ao gosto do povaréu. Alienados! – gritávamos com náusea. Apreciávamos o experimental, o aleatório, a película em branco e preto com o beneplácito da Nouvelle Vague e os Cahiers du Cinéma.





Koyaanisqatsi (1982)



Ufa, por quantas noites queimei tutano esperando Godot em ciclos de conferências sobre semiótica e estruturalismo, o desconstrucionismo e maquinações tais que reduziriam a zero os enigmas do mundo!  Não me recordo [esqueci-me de dizer, estou numa praia] se foi Fellini quem escarneceu assinalando que, para se obter uma cena “de arte” bastava filmar uns minutos com a câmera fora de foco.  Resultariam mechas de intenções, brumas de sentidos que instauravam uma aura vanguardista a questionar o establishment, enfim, obra aberta a vagas interpretações.





A trilogia



Viste Koyaanisqatsi?  Era assim, filme-cabeça duma trilogia acachapante. Invertia o papel da música no cinema. Sorvíamos os acordes minimalistas de Philip Glass. Deslumbrei-me ao descobrir que o músico era taxista de Manhattan.  Em Koyaanisqatsi (Life out of Balance), a mostrar o desequilíbrio da existência, nuvens em movimento anunciavam catástrofes, flores se abriam num átimo, alheias à ordem do mundo e à multidão que ia e vinha atormentada, como formigas em fim de outono.





Koyaanisqatsi (1982)




Tudo à contramão dos conceitos retilíneos e à aritmética inteligível das frases, na cadência do tempo que me pôs vincos no rosto e esta fatiga sexagenária. No solilóquio de agora, aqui, à beira do mar, o violão, o cigarro de maço e esta lua de ilusões. Ondeado pela confissão duma gesta de inúteis façanhas, mescla de heroicidade e agonia, em tedioso contato contigo, oh leitor.





O cronista naqueles tempos,


É  tudo verdade,
tudinho.























129 comentários:

  1. Grande texto Romildo!
    Pena que o grande cinema está morrendo aos poucos. né? Mas vamos em frente que boas produções hão de jamais serem esquecidas.
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  2. Acabei de lê-la. Deliciei-me !! Parabéns !!

    Marcia Regina Spolzino Porto

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez venho ler e matar (saudades) com as viagens de Romildo.
    Romildo sempre nos brindam com um "passado de presente" para nós.
    Agradeço e me orgulho muito ter e ser amigo de Romildo, bons tempos.
    grd abraço

    ResponderExcluir
  4. Texto lindo! Belas recordações...
    Koyaanisqatsi é fenomenal.

    ResponderExcluir
  5. Nunca esqueço quando vc, em duas horas na noite antes, preparou uma palestra para uma semana de cipa da antiga telesp, sobre o amor nos tempos da aids, baseado em letras e sons das canções da época, letras que mudavam radicalmente o formato do romantismo pós/aids... tens o dom...fazer o quê... agradeço a Deus ter-me dado a sorte de ter vivido as coisas dos anos 50, 60, 70, etc... de poder trocar com pessoas tão qualificadas e sensíveis como vc... de ter encontrado vc nos tempos da cibernética social, dos grupos gestálticos de crescimento pessoal... de termos testemunhado a amizade ingênua e verdadeira entre tuas filhinhas e o meu filhinho... Então, quando vc escreve estas crónicas parece que consigo ler nas entrelinhas mensagens de comunhão... obrigado, amigo da'alma.
    Hugo Ramón Barbosa Oddone

    ResponderExcluir
  6. Oi, Romildo, adorei, viu? Acabo ficando um pouco nostálgica, mas recupero o fôlego e acho muito bom ter vivido o que vivemos. Beijo.

    Márcia Véscovi Fortunato

    ResponderExcluir
  7. Um inapelável sessentão que traz consigo experiências acumuladas, dores e alegrias vividas, recordações e ensinamentos... um leque colorido de opções para relembrar e enfrentar o "tempo" com equilibrada saúde mental e física. Abçs e Bom fim de semana!!!
    Drica Melo

    ResponderExcluir
  8. Pensamento bonito!!! memória invejável!!! Me senti parte integrante desta sua confissão. É como se de alguma forma, eu tivesse participado desse seu mundo que vai da fronteira ao infinito...!!! Parabéns mestre!!!
    Claudete Liberalli

    ResponderExcluir
  9. Romildo

    Embora uma viagem pessoal no (seu) tempo, ela representa a viagem de toda uma geração, que hoje já ultrapassou os 60 anos.

    Eu me incluo como passageiro nessa viagem que ainda vai dar muito o que falar.

    Continue viajando pela sua memorável memória, porque todos os passageiros irão lhe agradecer.

    Um forte abraço do

    José Manoel de Aguiar Barros

    ResponderExcluir
  10. Olá, Romildo

    Parabéns pela crônica, que nos remete ao passado com muitas recordações. O mais interessante dessas recordações é que, como você mesmo coloca no blog, "É Tudo Verdade".

    Estou com saudade, precisamos nos rever.

    Grande abraço do amigo Jacob

    ResponderExcluir
  11. Romildo,
    delicio-me com seus textos. Acho que o 60 tão aí está melhor do que nunca... sobre o tempo eu costumo dizer que ele é mesmo um vilão... fazer o quê?!
    saudades,
    Pa

    ResponderExcluir
  12. Parabéns mestre ... pena que hoje o que vale é se o filme vai render lucros aos patrocinadores e atrair um grande público, mesmo que seja para aplaudir e rir de coisas irreais e imbecis! Major Pedro Augusto

    ResponderExcluir
  13. ADOREI ROMILDO !!!
    Eli Buchala

    ResponderExcluir
  14. Fantástica, como sempre!

    Marcio Tadeu

    ResponderExcluir
  15. Amigo Romildo vc cronicamente fazendo embaixada com as palavras, obrigado e gde abraço!
    Joao Carlos Felicio Felicio

    ResponderExcluir
  16. Sérgio Massaglisábado, junho 02, 2012

    Linda crônica, Romildo.

    ResponderExcluir
  17. Professor, a cada dia seu texto fica mais bonito.Adorei seu jeito corajoso de falar da saudade que temos, todos nós,"daqueles tempos". E, por que não teríamos? Éramos imortais naquela época e as dores eram tão romanticamente encaradas, que nem doíam tanto.Bom ter gente como você que sabe exprimir tão bem o que tão bem sentimos. Grande abraço.Cidinha gratão Faconti

    ResponderExcluir
  18. Gostei muito da crônica Romildo Sant'Anna, ainda mais que é sobre um dos temas que me acompanha e do qual gosto muito, e desde infância, o tempo e o cinema. O tempo, veio depois, bem depois de ter alguma noção da idéia de tempo e de ter alguma vivência em pensamento, memória, cérebro, consciência e tudo mais. Mas o cinema, acredito que todos temos lembranças com os filmes que passaram por nós, ou que nós passamos por eles, tempo eternizado pela imagem. E me lembro de ver o filme KOYAANISQATSI na locadora Real Video, bem na última prateleira, meio perdido, meio esquecido, isso era no final dos anos 80, e sempre tive curiosidade desse filme, que até hoje ainda não vi. Já me falaram dele, assim como se falava de Godard, de Truffaut e toda trupe da Nouvelle Vaugue, eu ouvi sobre esse filme: - Nossa, é o máximo, e tudo mais... Senti que agora é a hora de assisti-lo, mesmo sem tempo para apreciar um filme, acho que chegou a hora. E com referência sua, não posso deixar de vê-lo, não é??? Abraços!!!
    Marcelo Raduan

    ResponderExcluir
  19. Romildo Sant'Anna Bacana. Parabéns pelo trabalho, sempre cuidadoso e fundo.
    Luciano Alvarenga

    ResponderExcluir
  20. Parabéns, já compartilhei!!!

    Dil Grande

    ResponderExcluir
  21. Você sempre fantástico.
    Cristiane Araújo

    ResponderExcluir
  22. Também assisti "Koyaanisqatsi"! Por essa e por outras recordações trazidas à tona, minha leitura também foi subjetiva... Obrigada por esse presente, Romildo Sant'Anna - e um excelente final de semana!
    Karin Volobuef

    ResponderExcluir
  23. Com a cara e a coragem....parabéns Romildo Sant'Anna.
    Katia Topgian Rollemberg

    ResponderExcluir
  24. De fato, é subjetiva, professor. No entanto, também é uma crônica confessional de geração. Belissimamente escrita e paradoxalmente privada e pública.

    João Adalberto Campato Jr.

    ResponderExcluir
  25. Li e, como sempre, adorei.Deixei um comentário no Blog.Fico sempre lisonjeada com a sua lembrança.Obrigada.
    Cidinha Gratão Faconti

    ResponderExcluir
  26. Lindo Romildo.........isso é experiencia acumulada.....rsrsrsrsrs
    Claudia Bassitt

    ResponderExcluir
  27. Pena que não vi koyaanisqatsi, mas, sinceramente, Romildo sua crônica está o máximo...
    Mara Augusta Pessutti

    ResponderExcluir
  28. Adorei a sua crônica-imagem Romildo!!! Obrigada pelo carinho da amizade. Beijo grande...
    Roseli Arruda

    ResponderExcluir
  29. Romildo, eu tbm sou amante dos filmes franceses! Parabéns pelo pelo texto-imagem! Como todos os seus textos, deliciosos de ler! Abraço e ótimo final de semana!

    Luciana Teixeira

    ResponderExcluir
  30. El portugués es un idioma mágico, Gracias, Romildo!
    (Ai tantas pedradeas em dó,muito vinho avinagrado na garganta...)

    Bruno di Benedetto

    ResponderExcluir
  31. Koyaanisqatsi tão longe e tão perto. Tao!
    Paulo Casale

    ResponderExcluir
  32. Adorei seu blog. Luis Ribeiro

    ResponderExcluir
  33. Olá, Romildo. Pra falar a verdade, nunca assisti a Koyaanisqatsi. Mas adoro Phillip Glass e seu minimalismo. Adorei a sua cronica e me deu vontade de afinal ver o filme. Um grande abraço.
    Marta Pagotto

    ResponderExcluir
  34. Olá Romildo,
    tudo bem?

    É sempre uma delícia ler suas crônicas. Esta, em especial encantadora, nos remete a lembranças comuns!
    Obrigada e ótimo fim de semana para você também.
    Beijo,
    M.

    ResponderExcluir
  35. Que delicia ler voce Romildo.Viajei no tempo!!!
    Tenha um domingo delicioso, e continue escrevendo
    o que nos toca a alma .
    Beijosss...

    Sandra Chaves

    ResponderExcluir
  36. Sr. Romildo Sant'Anna, as crônicas do sr, são especiais, com certeza, de grande nivel, sou seu fã.
    Clelio Jose de Oliveira

    ResponderExcluir
  37. rita guimarães barbosadomingo, junho 03, 2012

    adorei,alias como todoas.bom domingo rita barbosa

    ResponderExcluir
  38. Adorei seu blog.
    Texto lindo! Belas recordações... Viajei no tempo!!!
    Continue escrevendo para nos deliciar... Parabéns!
    Sou sua fã.
    Maria Rita

    ResponderExcluir
  39. Querido Romildo
    Sempre gentil nos convidando a ler textos tão bons,
    Seu texto me transportou para um momento muito bom de recordações.
    Abraços Cecilia Cristina

    ResponderExcluir
  40. Uma viagem no tempo, uma viagem para dentro. Nostalgia, saudades de um tempo vivido, de emoções sentidas... Tudo isso através de sua crônica e apesar de nunca ter assistido Koyaanisqatsi. Adorei.

    Abraço
    Rosa Maria Abrão

    ResponderExcluir
  41. Bravo! Gostei da tua crônica, parabéns (!) e do refresco na memória! Na época que passou o revolucionário KOYAANISQATSI, assisti no cinema que era mesmo de costume, o que tinha de atípico era o próprio filme sem narrativa com uma musica boa num emaranhado de imagens da vida moderna nós colocando em cheque sobre nosso estilo de vida

    ResponderExcluir
  42. Luzia Bueno de Camargodomingo, junho 03, 2012

    Bem o que dizer dos filmes enlatados de antigamente, mas era tão bom ...amo salas de cinema.. sempre...sempre..adorei , me deliciei nas suas saudades quase dementes mas a vida continua sempre...Paz amigo..adoro suas cronicas..

    ResponderExcluir
  43. Excelente sua crônica...Transcrevendo algo que li e acho interessante: "Escrever é catarse,disfarce,para que a alma não se esgarce"...e acrescento à minha maneira como senti sua crônica: você fez um download em "time lapse"dos seus momentos vividos,da sua história retratada numa construção literária "copiosamente subjetiva e confessional"..Perfeita!!! e salve o bom cinema...
    Cidinha Gattaz

    ResponderExcluir
  44. ROMILDO, como sempre suas crônicas nos remetendo conhecimentos e cultura,parabéns.
    Jose Carlos Ita

    ResponderExcluir
  45. eu li Romildo. Muito bacana!
    Marcelo Dias

    ResponderExcluir
  46. Sempre espero suas cronicas amigo...amo tudo que vc escreve...Paz....

    Luzia Bueno de Camargo

    ResponderExcluir
  47. Você como sempre deixando um caldo de conhecimento para mim.. super indico!

    Flavia Scanferla

    ResponderExcluir
  48. Grande e querido professor Romildo Sant'Anna; seu blog é demais! Sempre tem uma ótima crônica para ler e meditar... Parabéns e continue sempre escrevendo; sou sua fã. Beijos. Excelente semana! Beijão para o Pedro também.
    Aline Suélen Iiachinsk

    ResponderExcluir
  49. Belas recordações, parabéns Romildo! Bom domingo, bjs
    Rita Arruda

    ResponderExcluir
  50. saudades daqueles anos, Romildo Sant'Anna... Maria De Fatima Dias

    ResponderExcluir
  51. O jeito re escrever tudo!
    Aline Alencar

    ResponderExcluir
  52. Mestre Romildo!,nossos olhos e ouvidos absorvem as belas cronicas que o senhor nos presenteia.passado e presente se fundem em uma história,e o senhor fala de uma forma tão clara,e bela,continui assim ,agradeço pelo senhor ter sido meu mestre.bjs

    Sonia Maria Rossi

    ResponderExcluir
  53. muito bom
    Chiquinho Ovidio

    ResponderExcluir
  54. sabe que sou sua fã néh...adoreiii, bjsss

    Daniela Hortega

    ResponderExcluir
  55. ME DELICIO COM SUAS PALAVRAS! SOU SUA FÃ!!!!

    Zelia Christina Rbraz

    ResponderExcluir
  56. Realmente parece que tivemos no passado a melhor fase de muitas coisas principalmente a do cinema. Porém temos que aceitar que nada é estático,tudo está em constante movimento, às vezes mudam pra melhor outras pra pior.O importante é que estamos aqui assistindo a tudo e nos maravilhando com textos ricos e bem escritos e digo mais, tendo o autor como amigo, isto é o máximo.Parabéns Romildo você é importante para a nossa cultura!

    ResponderExcluir
  57. Genial, mestre Romildo Sant'Anna ! E, sim, é tudo verdade. Tudinho.

    Gisele Sayeg

    ResponderExcluir
  58. Sim, Romildo, eu vi Koyaanisqatsi... Tenho até o elepê!!! Esses dias procurei o DVD na internet prá comprar e não achei... Quem souber onde tem me indique, por favor, é caso de nostalgia. Bom, de qualquer forma, parabéns pela crônica, meu amigo!!! Muito boa...
    Marcos Caetano

    ResponderExcluir
  59. Caro Romildo,
    Muito boa a sua crônica. Gostei!
    Com o afetuoso abraço do


    Durval de Noronha Goyos Jr.

    ResponderExcluir
  60. Caríssimo Romildo,
    Você é uma referência para nós todos. Sua cultura deixa-me "complexado". Seus conhecimentos são admiráveis e produzem um efeito multiplicativo intenso. Tenho muito orgulho em ter sua preciosa amizade.
    Abraços
    Domingo Braile

    ResponderExcluir
  61. Prezado amigo .
    Que bom que lembras de mim ! Seu texto maravilhoso lido nesta manhã me faz bem . Viajo um pouco para outras paragens ... Saio do concreto e sonho ! Parabéns e obrigada , por me fazer sonhar !abraços . saudades
    Mariade Fátima Mimessi

    ResponderExcluir
  62. ‎Romildo obrigada por seu texto. Gosto muito de suas produções, parabéns!
    Marcela Rodrigues

    ResponderExcluir
  63. Há quanto tempo, hein rapaz!
    Mas continuas afiado, belo texto...
    Próximo da “sessentabilidade”, me sinto cada vez mais anos 70.
    Grande abraço

    Paulo Rezende

    ResponderExcluir
  64. Romildo, estou relendo. Adiantando, gostei da ligação com Godot.
    Salve a contemplação existencial.
    Moacir Alves Borges

    ResponderExcluir
  65. Obrigada, Romildo Sant'Anna, por mais essa leitura. Adorei!

    Karin Volobuef

    ResponderExcluir
  66. Como sempre...tudo muito verdadeiro e muito bem colocado!!
    Quanta gente fazia de conta que estava entendendo tudo e fazia a gente se sentir como o cachorrinho que caiu da mudança.
    Obrigada por você existir na minha vida. Obrigada por você me mostrar o cinema oriental. Hoje sou fã incondicional!!!!
    O melhor da crônica é aquela sua foto de bigodinho...acho que por esse motivo que o seu pensamento chega em mim, porque o meu está sempre chegando em você..
    Um beijão

    Elisete

    ResponderExcluir
  67. Parabens ,como sempre maravilhoso...
    Muito obrigada por ter esse privilegio ...
    Um beijo ...
    SORAIA ORLANDINO...

    ResponderExcluir
  68. Querido Romildo, que encantamento ler seus escritos...Ser remetida ao tempo da imagem/voz...hoje as imagens não tem traduzido com perfeição o que a voz não diz...Os olhos deixaram de ler os sentimentos traduzidos...Valeu!
    Marilena Estrella Facuri

    ResponderExcluir
  69. Romildo, sabemos que você folheia as páginas da vida e as reescreve de um modo único, com sensibilidade máxima e generosidade imensa; e agora vejo que não é diferente com os fotogramas dessa mesma vida, que restam na nossa lembrança pálidos e fora de sequência como num sonho, mas aos quais dás alguma ordem (não muita, que não é bom) e emprestas um sentido muito teu, singular, mas de uma singularidade generosa, feita para ser dividida e se tornar plural por obra e arte dessa tua moviola regateira.
    Beijão, Romildo, e obrigado sempre!

    p.s.: Parece que vejo você, na sua casa, pondo na vitrola o disco do Phillip Glass com a trilha do Koyaaniskatsi. Muito depois é que vi o filme do Geofrey Reggio, na TV Cultura, e me lembrei, claro, de você. A vida é uma sessão corrida de filmes bons e ruins, mas o que vale é a companhia dos amigos.

    ResponderExcluir
  70. Cara, bom dia!
    Adorei sua crônica, foi uma viagem fantástica.
    Que bom poder me embebedar desses sonhos do passado.
    Abraço, Cyrineu

    ResponderExcluir
  71. Que bom te ler, meu irmão. Obrigado.
    Beijão,

    Ivan Vilela

    ResponderExcluir
  72. Acabei de ler. O Romildo Sant'Anna escreve divinamente. Dá até vontade de viver a época, os filmes, tudinho...
    Flávia Letícia de Souza

    ResponderExcluir
  73. Parabens ...muito obrigada pelo privilegio em te-lo como meu amigo...ameiiiiii suas cronicas-imagem...bjs

    Soraia Martins Orlandino

    ResponderExcluir
  74. Querido Romildo
    Sempre gentil nos convidando a ler textos tão bons,
    Seu texto me transportou para um momento muito bom de recordações.
    Abraços
    Cecilia Marques Dos Santos

    ResponderExcluir
  75. Que bom Romildo, termos uma história. Gostei muito, me remeti há tempos... de descobertas, de luta, de dor, de amor e compromisso. Jovens são tão tolos, corajosos e belos! "Sessentões", lembranças e igualmente belos. Histórias que se seguem e fazem parte da vida de cada um.
    Um grande abraço. Pode alimentar sempre minhas lembranças, viu?

    Vera P. Nicoletti

    ResponderExcluir
  76. Gostei muito parabéns!!! Bj.
    Lucia De Fatima Torres

    ResponderExcluir
  77. "Mestre Romildo, arrasa sempre! Adoreiiiii, obrigada. Bjus e boa semana.
    P.S: Me passa uma lista de livros obrigatórios para a humanidade, rsrsrsrs. Preciso de cultura!!! bjss
    Isabela Helou

    ResponderExcluir
  78. gostei do lírico texto.
    parabéns.
    abraço,
    oscar
    d'ambrosio

    ResponderExcluir
  79. É difícil não gostar do que voce escreve. Uma semana produtiva a voce e no acordo de sua próxima cronica . Maria Isabel Costa Verona

    ResponderExcluir
  80. Grande Romildo, que honra ser lembrado! Adorei a densidade da crônica-imagem e estou completamente transbordado de felicidade por participar de tais pensamentos, tão importantes para o futuro.
    Todo o mundo deveria ler sua crônica e estudar suas minúcias, pois a arte parece estar esquecida hoje em dia. Estou instigado e louco para fazer um plano sequência fora de foco... Um não, muitos. Quero muito assistir essa trilogia e já estou pesquisando, preciso disso. Tudo de melhor, sempre.
    Abração
    Zelé Volpato

    ResponderExcluir
  81. Parabéns Romildo! Fiz um comentário no seu blog. Eu, é que fiquei feliz com sua lembrança. ...Romildo, vc é u/a referência para todos nós. Sua cultura é impar! ....Tenho mto orgulho de fazer parte do seu rol de amigos/as! Um forte abraço e fique com Deus!
    Marilza Carvalho

    ResponderExcluir
  82. Ótima leitura neste dia chuvoso, fresquinho. Vc é pura cultura.
    Leda Nascimento

    ResponderExcluir
  83. ADOREI! Parabéns! Delicia de leitura!
    Silvia Trevisan

    ResponderExcluir
  84. Parabens Romildo ! Adorei ! Linda cronica !
    Jeanne Gantman

    ResponderExcluir
  85. Parabéns , gostei muito, bjs
    Theresa Guimaraes

    ResponderExcluir
  86. Neste mundo de 15 minutos que dura uma fama,e de lembranças de 24 horas aonde a mudança de um canal se apaga uma memória.Sinto saudade da época em que éramos ricos,de filmes e músicas de qualidade..e ainda tive o prazer de assistir neste mês Incêdios(canadá/França) ainda bem que temos nossas lembranças...
    Cleo Dario

    ResponderExcluir
  87. Vc é excelente Romildo. Parabéns!!!!
    Joelma Caparroz

    ResponderExcluir
  88. Querido Romildo, que encantamento ler seus escritos...Ser remetida ao tempo da imagem/voz...hoje as imagens não tem traduzido com perfeição o que a voz não diz...Os olhos deixaram de ler os sentimentos traduzidos...Valeu!
    Marilena Estrella Facuri

    ResponderExcluir
  89. Oi Romildo ! Adorei a cronica -imagem ! Lindo texto ! Abraco

    Jeanne Gantman

    ResponderExcluir
  90. Como sempre ótimo texto, obrigada por compartilhar...uma ótima semana pra vc, beijo.
    Radigi Droubi

    ResponderExcluir
  91. Jacqueline Luzardo comentou seu link.
    Definitivamente Romildo...tus escritos me cultivan y me hacen conocer cosas que nunca había conocido...Imagino que la añoranza y la melancolía de años pasados a todos nos aluden en algún momento y nos remontamos a la hermosa sensación de haber vivido lo que vivimos !!! Muchísimas gracias, que tengas un lindo día !!!

    Jacqueline Luzardo

    ResponderExcluir
  92. ADOREI A SUA CRÔNICA, AMIGO... PARABÉNS !!!!!OBRIGADA PELA LEMBRANÇA... TENHA UMA QUARTA-FEIRA COM MUITAS BENÇÃOS.... BJSSSS
    Ana Maria Andreolli

    ResponderExcluir
  93. Romildo, com você voltei no tempo e revivi um dos mais originais e empolgantes momentos da História do Cinema - Koyaanisqatsi (1982) e tb o relançamento do Festival Nacional de Teatro de nossa cidade.
    Obrigada por este momento.
    Mara Lima

    ResponderExcluir
  94. Tedioso, jamais, amigo... sempre instigante. Ainda mais com aquela foto-epílogo roliudiana!!!

    Júlio Cezar Garcia

    ResponderExcluir
  95. Li...adorei Romildo.....mas embaralhei minha cabeça com nomes diretores e paisagens que eu mesma fui formando...eheheheheheh bjssss
    Cida Pasqualon

    ResponderExcluir
  96. Olá Romildo,
    ADOREI!!!!!
    Denise Carvalho

    ResponderExcluir
  97. Obrigada ! Excelente !!! Ótima semana para você também !!
    Ligia Maura

    ResponderExcluir
  98. Amigão. Maravilha te seguir!!!!!!
    Vitor Hugo Zenezi Longo

    ResponderExcluir
  99. Obrigado, sr. Sant' Anna, seus pensamentos e reflexões são da mais alta valia para todo aquele que aprecia o texto crítco e ao mesmo tempo criativo. Terei prazer em acompanhar assiduamente seu blog.
    Rafael Maraca

    ResponderExcluir
  100. Que ótimoooo Romildo... como sempre... e cada vez melhor! Adorei as lembranças... MUITO BOM! Estou compartilhando ..... saudades, beijo!
    Laine Carvalho

    ResponderExcluir
  101. Não só gostei, como me identifiquei. "E os louvávamos: era nossa reação ao imperialismo ianque e suas guerras." reagíamos de alguma maneira.
    Edra Moraes

    ResponderExcluir
  102. Oi Romildo, eu li agora a pouco a sua crônica, muito bacana. Sempre gosto muito do que voce escreve. Qdo vc fala de filmes me lembro do meu amigo Jefinho (Jeferson Matos) tbm amigo do Re inaldo Volpato, de qdo morei em SP por aguns anos. Sempre q tinha algum filme bom ele me avisava e a gente ia assistir. Valeu Romildo, um grande abraço.
    Marco Aurélio Breseghelo

    ResponderExcluir
  103. OBRIGADO PELO LINK AMEI .VAMOS SER BAOS AMIGOS SE DEPENDER DE MIM SEJA BEM VINDO BJOSSSSSS
    Mara Souza

    ResponderExcluir
  104. Lindas as suas crônicas, Romildo. Vi-as em seu Blog, viu? Não precisamos dizer que escreve bem, não é? Todo mundo sabe! Boa noite e até...

    Loreni Fernandes Gutierrez

    ResponderExcluir
  105. Romildo, querido Romildo, sabes que prefiro os Avatares a estes chatos e equivocados franceses- ignorantes das coisas do espírito- do século passado.
    FLIP mes que vem. Venha. Te hospedo. Sem luxo, com carinho.
    Velloso.

    ResponderExcluir
  106. Excelente crônica, Romildo. Parabéns! Go on!
    Tereza Bilia

    ResponderExcluir
  107. Muito boa essa postagem adorei!!! Tenha um ótimo domingo.
    Marcela Jorge Drubi

    ResponderExcluir
  108. Meu amigo Romildo. A exasperação maior era termos que fazer "cara de conteúdo" diante da inevitável pergunta: "e aí, gostou?"
    Tua crônica, como sempre, não poderia refletir melhor essa fatal "dissimulação" por que passamos naqueles dias de combate aos "imperialismos" e às "alienações".
    Continuas o mesmo, meu amigo: brilhante, como sempre! Um grande abraço.

    Jesus

    ResponderExcluir
  109. Romildo Sant'Anna, boa tarde!!! É cansativo sempre dizer que gosto muito das suas colocações, tão reais, que por um momento minha mente foi remetida " à beira do mar, o violão, o cigarro de maço e esta lua de ilusões." Grande abraço e ótima semana!!!!

    Sivia Regina Hage Pachá

    ResponderExcluir
  110. Excelente texto, parabéns.
    Roberval Melhado Braga

    ResponderExcluir
  111. Ai, tantas pedradas, quantas notas em dó, muito vinho avinagrado na garganta! ! Linda sua crônica,amigo...como sempre.É isso aí!Parabéns,você merece!
    Marta Mazzotta

    ResponderExcluir
  112. Olá Romildo, acabei de ler sua recente crônica. E fica em nossa memória o que passou e nunca é esquecido, mas ... nem sempre é possível lembrar, então chega uma pessoa como vc, que não nos deixa esquecer....RECORDAÇÕES....! Fico pensando entre esse passado e o presente, são sensações estranhas, quando observo que cada pessoa precisa de um resgate.

    Renata Montenegro

    ResponderExcluir
  113. Sem comentários...
    Adorei,texto inteligente e criativo.
    bj da mara martucci

    ResponderExcluir
  114. Grande Romildo Sant'Anna, abraços,
    Mussarela Carlos de Souza

    ResponderExcluir
  115. Belíssimo texto, meu caro Romildo Sant'Anna. Embora a superficialidade e o imediatismo sejam a bola da vez, o Cine Eldorado, em Rio Preto, nos acalenta. Objetiva nele.
    abs by Fabio E. Monteiro

    ResponderExcluir
  116. Sempre muito bom passar por aqui, Romildo, reflito e aprendo deveras.

    ResponderExcluir
  117. Liberato Caboclo
    Quem tem mais de cinquenta anos não pode deixar de ler a última crônica do Romildo Santana.Em uma análise serena e sintética ele nos mostra como é difícil para a minha geração(e a da dele),renunciar ao valor criativo da nossa maturidade juvenil e ser obrigado a desdenhar de um presente copiador caricato.Grotesco o jogo do berço na escadaria dos Intocáveis ,comparado à plasticidade so Encouraçado Potekin.Às vezes tenho a impressão que as apostilas ganharam do livro-texto.Uma arte prét-a -porter.Você a consome em série.Ela já vem pronta.Refletir ,raciocinar é cafona.A cultura atual é um grande cursinho vestibular.Nada deve ser entendido,tudo deve ser deglutido in
    natura.Como nos alertou Markuse,o pós moderno fundiu o ideal com o real.Não deixem de ler.Por favor,não é saudosismo.Nós gostamos da boa arte atual.A geração atual não liga.Quem ouve o Iamandu?A nossa geração.

    ResponderExcluir
  118. Belíssimo texto, meu caro Romildo Sant'Anna. Embora a superficialidade e o imediatismo sejam a bola da vez, o Cine Eldorado, em Rio Preto, nos acalenta. Objetiva nele. abs by Fabio E. Monteiro

    ResponderExcluir
  119. Olá Romildo,
    Como sempre...brilhante! parabéns!
    Muito interessante o recurso crônica-imagem, fico curioso de imaginá-lo tendo como roteiro outros temas. Lembrou imagens de disparos sucessivos de memórias de quantum de inconscientes coletivos de fogos de artifício de reveillon.
    Sensacioqatsi!! Abs, Renan.

    ResponderExcluir
  120. Rô, vc é o máximo!!!Bjosss

    Bia Lourenço

    ResponderExcluir
  121. Adorei o blog, vc indicou a pessoa certa. Sou viciada em blogs de tipos diferentes. Tenho um sobre cinema, moda e afins http://www.girafaantenada.blogspot.com.br/ . Também espero que goste. Bjão
    Julia Alcântara Ferraz

    ResponderExcluir
  122. Meu dileto amigo Romildo, custei mas acabei localizando sua cronica confessional que voce com sua proverbial sinceridade relata e condensa, em poucas linhas uma emociante historia de vida que ja dura sessenta anos É dificil para qualquer observador encontrar motivos para entender porque muitos,inclusive eu, gosto de quando em vez, de percorrer com muita emoção a ladeira da memoria. Só que voce conseguiu com muita habilidade definir numa sintese inteligente as aventuras ásperas e dificeis.alegres e promissoras de cada etapa e que na soma dos resultados, gerou um um genio da literatura. Gostei Romildo, voce é um cara de coragem e de muita sabedoria. É a marca do talento que ja nasce com o aceno do sucesso. O meu abraço de admiração.

    Alexandre Ismael

    ResponderExcluir
  123. Oadorei ......otima semana pra vc tambem...
    Cleotildes Da Silva Oliveira Conejo

    ResponderExcluir
  124. Spectacular! I've just read 'É tudo verdade' and I felt like I was boargind an epic train, riding through the wonders of those times. Congrats.
    Pérsio Marconi

    ResponderExcluir
  125. Olá Romildo, adorei o blog e com certeza vou continuar curtindo.bjs.
    Felipe Zanirato

    ResponderExcluir
  126. Obrigado mestre Romildo, é um prazer compartilhar com seu trabalho e principalmente com sua amizade. Deus o abençoe, abçs.
    Vaelsom Taveira Ferraz

    ResponderExcluir
  127. é com muito mas muito prazer que conheço nestas linhas internáuticas uma pessoa que por tanto considero e que de tanto adorei o livro a moda é viola ahahha meus parabéns e é uma honra eterna prazer espero poder um dia conhecê-lo pessoalmente abraços
    e sucesso
    Alexandre Dire

    ResponderExcluir
  128. delícia de texto romildo......


    juny kp!

    ResponderExcluir