domingo, 18 de dezembro de 2011

A SOLDADO FEMININO













É a presidenta ou a presidente Dilma? Porém há casos em que a truculência masculina extrapola seus limites. Com todo respeito aos varões fardados e que têm por lema a preservação da ordem e segurança pública, as soldadas são demais!  Heresia! – esbravejarão em censura os puritanos das normas linguísticas.  Nãoflexão de gênero parasoldado”, tampouco se diz “corajosa soldado”, mas é soldado mesmo, inflexível! No caso das mulheres fardadas, não se considera a pessoa, mas o cargo ou profissão!





Se dizemos o médico, a médica, o garçom, a garçonete, por que não a soldada?  Mesmo os nomes comuns de dois gêneros distinguem o feminino pela presença do artigo ou outro determinante.  São “aquela jornalista”, “a estudante”, “as desacorçoadas boias-frias”. Porém às soldadas...  No início do mês recebem o minguado soldo e, como todos os soldados de quaisquer patentes, são soldadas. Que segregação é essa – repito – à intrépida e valorosa militar?







Ensina Carl Jung: na feminilidade, a alma do mundo. Nela residem nosso potencial afetivo, a espiritualidade, as intuições proféticas, o sonho quimérico de amor e proteção. Quiçá pela natureza e atributos femininos, é raro à diligente funcionária pública expressões de truculência e abusos de poder. Trabalham de modo compassivo, inspiram confiança, dão delicado toque de refinamento ao batalhão. Sem que se imponham ostensivamente, têm o poderio atávico da mulher, trazem implícito o respeito de si e da sociedade.




 



As gramáticas se omitem, fingem que não é comigo. Os dicionários que, no aquartelado dos conceitos, enfeixam o espírito cultural da nação, registram “soldado no masculino. Referem-se ao viril e destemido guerreiro de antanho que recebia soldo. Ignoram as soldadas do presente. São porta-vozes de nossa macheza e decerto também por isso os chamamos “pais dos burros”. Fica-nos o dever ético de tê-las como pessoas sexuadas, mães e companheiras, tratando-as no feminino: a digníssima soldada.



 
No Chile, a ex-presidente Michelle Bachelet, batalhando a reconciliação da nação, confiou a chefia de segurança do palácio La Moneda a uma “carabinera”, quer dizer, a uma soldada. Nada mais simbólico e civilizador! Aliás, no país de Gabriela Mistral e Neruda, a Guarda Nacional integra-se no meio a meio: soldadas e soldados.  Por que no Brasil não nos reconciliamos com a razão e a sensibilidade?






Gina Lollobrigida observou: “Glamour é quando um homem percebe que uma mulher é uma mulher”.  No entanto, deixando que gritem o empedernido machismo e o espírito patriarcal que historicamente nos governa, lemos o absurdo em sua fardaSoldado Feminino PM Beatriz”. Dia desses, toquei no assunto com uma solícita soldada. Ela franziu a testa com ternura e respondeu com outra pergunta, entre o respeito à disciplina militar e sua convicção de cidadã: “Estranho, né?”. E, enigmática como a Mona Lisa, discretamente, sorriu.






(Imagens captadas na web. Permitam-me os fotógrafos
e as mulheres dos retratos.  Agradecido.)





36 comentários:

  1. Romildo Sant'Anna, como sempre as crônicas são perfeitas, e somente vêm a somar ao nosso conhecimento. Esta em particular, diz tudo sobre as mulheres, não apenas "a soldado feminino", mas em todas as carreiras cujas barreiras impostas pelo machismo ainda imperam. E como sempre, a mulher sabe mesclar muito bem a razão com a sensibilidade inerente ao ser. Gostei muito, farei com que minhas companheiras advogadas leiam, para que não desistam nunca perante aos "rústicos" que nos deparamos diariamente rsrsrs. Um feliz e abençoado Natal e 2012 a você e sua família, foi um enorme prazer conhecê-lo ao menos no "virtual". Grande abraço, e um ótimo domingo!!!!
    Silvia Regina Hage Pachá

    ResponderExcluir
  2. Primeiro tivemos que ocupar os cargos, para agora desafiar a gramática. Agora existe PRESIDENTA, SOLDADA, CHEFA, GERENTA, PILOTA. e o dicionário que nos acompanhe, visto que, vez ou outra faz adequações, que esta seja mais uma. Para mim é presidenta, e ponto final. P-R-E-S-I-D-E-N-T-A.
    Luciana Tajara

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo artigo "A SOLDADO FEMININO" no romildo-sant.blogspot.com ... Quero destacar duas coisas, uma, o seu jeito de escrever, único, especial, incomparável... Outra, um trecho que me tocou essencialmente falando da alma feminina, do anima junguiano: [...]Ensina Carl Jung: na feminilidade, a alma do mundo. Nela residem nosso potencial afetivo, a espiritualidade, as intuições proféticas, o sonho quimérico de amor e proteção. Quiçá pela natureza e atributos femininos, é raro à diligente funcionária expressões de truculência e abusos de poder. Trabalham de modo compassivo, inspiram confiança, dão delicado toque de refinamento ao batalhão. Sem que se imponham ostensivamente, têm o poderio atávico da mulher, trazem implícito o respeito de si e da sociedade [...]"
    Hugo Ramón Barbosa Oddoni

    ResponderExcluir
  4. Romildo obrigado pela homenagem, estas guerreiras merecem ... Desde que elas passaram a fazer parte da Polícia Militar tudo começou a mudar ... quem melhor que a mulher com o instinto materno pra saber o que seus filhos (comunidade) precisa? Obrigado e fique com Deus! Um feliz Natal e próspero Ano Novo para todos! Capitão PM Pedro Augusto Chefe da Seção de Comunicação Social do 17ºBPMI

    ResponderExcluir
  5. Um artigo lindamente redigido por você,e tão bem escrito sobre o mundo e a alma feminina!Não tem como não te parabenizar muito....adorei!


    Marta Mazzotta

    ResponderExcluir
  6. Romildo Sant'Anna, parabéns mais uma vez para essa Crônica impecável !
    É um privilégio receber esse " mimo literário ". Excelente!
    Destaco essa frase :
    " Gina Lollobrigida observou: “Glamour é quando um homem percebe que uma mulher é uma mulher”.
    O meu aplauso pela transparência e originalidade deste tema!
    Que o 2012 lhe traga muitas alegrias! Muita inspiração e sensibilidade para nos brindar com essas maravilhas.
    Abraços fraternos

    Vera Mussi

    ResponderExcluir
  7. Romildo, lindo escritor, poeta, sensível, conhecedor de mulher. Uma vez estive no México para fotografar e o guia foi me esperar no aeroporto, como em todos os países que eu vou. Ele estava com uma plaquinha com o meu nome. Ai eu disse: Yo soy la fotografa. Foi um "pega para capar", precisei mostrar os documentos, carta de apresentação e etc. No final deu tudo certo. Beijo.

    Sylvia Nogueira Cury

    ResponderExcluir
  8. Muito boa a sua reflexão em torno desta crônica. Realmente, parece que muitas vezes as palavras nos faltam no dicionário. Escrevi um texto "DESENGARÇARAM A MINHA GARÇA" em um dos trechos afronto os homens que escrevem nos dicionários, pois está foi a única forma que encontrei de explicar para a minha criança que a sua garça estava morta. Ela, a garça continuava ali, linda com suas penas brancas e suas pernas de bailarina, com seus lindos olhos abertos a olhar em direção ao céu e suas asas prontas para alçar vôo... mas presa ao telhado da varanda e sem vida... embalçamada...e foi assim que desengarçaram a minha garça... tiraram lhe a vida, roubaram lhe a graça... e ela era tão linda e tão cheia de graça... então, no meu dicionário, DESENGARÇAR significa tirar a vida e a graça.Desta forma Romildo, desejo que neste Natal, a VIDA e a GRAÇA DE VIVER, estejam protegidas em cada gesto e jeito do nosso jeito de SER.

    ResponderExcluir
  9. ROMILDO, QUE CARA LEGAL VC É!FOI SÓ PEDIR E VC NOS PRESENTEIA COM OUTRO SEU.ADOREI!!!
    E, COMO O NATAL ESTÁ PRÓXIMO,APROVEITO PARA DESEJAR A VC E AOS SEUS MUITA ALEGRIA E UM POUQUINHO DAQUELA PAZ QUE JESUS DISSE QUE VEIO NOS TRAZER.
    ABRAÇOS CARINHOSOSOS DA AMIGA
    CIDINHA GRATÃO FACONTI

    ResponderExcluir
  10. Como é bom ler algo tão útil e fonte fidedigna, particularmente a crônica veio em um momento preciso , muito grato ao grande e respeitadíssimo Romildo Sant'ana.

    ResponderExcluir
  11. Ah! Adorei o texto, claro.
    Outro dia ouvi uma coisa bem interessante sobre isso: "Uma PFEM (polícia feminina como chamam aqui) pode se vestir como homem, trabalhar como homem, mas sempre irá sorrir como mulher".
    Viva!
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Como sempre, você entende como ninguém a alma feminina e suas sensibilidades.
    Só mesmo você para enxergar a importância desse reconhecimento profissional.
    Continuo sua fã!
    Elisete Sgorlon

    ResponderExcluir
  13. Gostei Romildo, gostei muito ! Obrigada.
    Estou indicando a leitura a outras mulheres maravilhosas que conheço.


    Ângela

    ResponderExcluir
  14. Suas palavras me confortam num momento muito difícil e me dão forças para continuar.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  15. Caro Romildo, esta crônica é fundamental. Aliás, como todas que você escreve. Ainda mais quando o tema são às mulheres. Seres apaixonantes, encantadores. Elas geram a vida, sangram durante 7 dias e ficam bem. Só por isso, algo de diferente tem. Quando o regime era o matriarcal, lá no princípio de tudo, o mundo era um lugar melhor para se viver. Abs Fabio E. Monteiro

    ResponderExcluir
  16. Ola Romildo, já tinha lido sua cronica e fico emocionada ...tinha que ser um um homem com razão e sensibilidade pra falar de mulheres e deixar mulheres assim...emocionadas.....boa semana de natal a vccê também e continue nos proporcionando cronicas que fale da nossa alma...bj. Ah. quanto a cronica não gostei...Amei...
    Bernadete Grzyb

    ResponderExcluir
  17. Eta homem que sabe enxergar, descrever e tocar a alma feminina! Sorte minha que tive a oportunidade de conhecê-lo (e até ser sua orientanda).
    Alessandra Possato

    ResponderExcluir
  18. Romildo Sant'Anna obrigada pela crônica. Bons textos ampliam nosso conhecimento e capacidade de reflexão.
    Marcela Evangelista Rodrigues

    ResponderExcluir
  19. Bem, depois de tantas e tão belas palavras e acertadas colocações, me sinto pequena para tecer qualquer comentário... Simplesmente verdadeiro, genuíno, digno, lindo é o que posso dizer a respeito da crônica em questão. Com todo meu respeito e admiração. Obrigada pela postagem. Vanessa Andréia Godoi. E obrigada também pela experiência maravilhosa... vc deve se lembrar. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Puxa amigo..sua sensibilidade continua à flor da pele, mais ainda para perceber numa mulher guerreira, tanta ternura e explosão.
    Uma mulher na verdade adota fardas desde o dia em que corta as asas e se joga no mundo em busca de algo, principalmente nos dias de hoje onde tantas funções de responsabilidade e força já lhe são atribuidas.
    Somos guerreiras seja lá em qual batalha, seja lá por qual ideal estejamos lutando.
    Abençoado o homem que consegue perceber mais na mulher que suas doces curvas.
    Parabéns Romildo..é um orgulho a sua amizade!
    Mil beijos..felizes festas!

    Lú Morena

    ResponderExcluir
  21. gostei muito pois vc refletiu a mais pura verdade em seu link.

    ResponderExcluir
  22. Parabéns Romildo Sant'Anna qta delicadeza, e sensibilidade, pra tratar um assunto tão especial, vc realmente é demais adoooorei. Te desejo um Feliz Natal, cheio de paz, amor e harmonia bjssssss e obrigada pelo carinho!"
    Fernanda Roncato

    ResponderExcluir
  23. Esse universo profissional ainda é dos poucos onde a atuação feminina ainda é discreta, talvez até pelas características físicas que alguns setores requisitam. Mas com certeza, de um modo geral, até mesmo a superior psicologia natural das mulheres é um fator importante para o sucesso em situações de risco, em que policiais se envolvem frequentemente. Um abçs. Julio Verdi - www.julio-verdi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Olá Romildo! Li tudo e gostei mto, afinal sou mulher e fico lisonjeada com tudo isso!! Adoro ser mulher!!! Gostei mto do que ensina Carl Jung e que Gina Lollobrigida observou: "Glamour e qdo um homem percebe que uma mulher e uma mulher! Sem feminismo algum, temos que ser mto valorizadas, pq somos diferentes!!!!! Abraços
    Rosane Beolchi Tavares

    ResponderExcluir
  25. Ivana escreveu: "Gostei do seu blog sim. Como para alguns o tempo parou na época em que era absurdo pensar que mulheres poderiam ser soldadas ou presidentas, vamos iniciar um movimento rebelde pacífico de colocar os/as onde são devidos. A começar por hoje. Bjs.
    Ivana Scotelari

    ResponderExcluir
  26. Olá Romildo, que surpresa boa!! Obrigada por ter me dado a oportunidade desse reencontro. Já naveguei no seu blog, mergulhei na argumentação tão pertinente sobre o termo "soldado feminino" e mais uma vez aprendi com vc. Afinal é por meio desses encontros humanos que internalizamos as coisas que realmente constroem. Parabéns por essa inquietude que transforma... Abraço forte e admiração.
    Luciana Crepaldi

    ResponderExcluir
  27. Romildo, a sua capacidade de comunicação é invejável! É possível "VER" a sensibilidade e beleza do que voce descreve. Muito obrigada por enviar essa jóia. Postei no meu twitter, @cleria. Parabens! Bjk
    Cléria Gomens

    ResponderExcluir
  28. Na cultura afro-brasileira a guerreira é Iansã, ela é uma guerreira, deusa da tempestade, da água e além de batalhadora, temos a questão da sensualidade. Essa é uma deusa que encarna a mulher do século X e XXI, que é o ser feminino que vai a luta, inclusive como soldado, ou como voce estabelece em seu texto, as personalidades como de Dilma Rousseff, ou de Michelle Bachele.Na cultura afro a força Iansã aparece nas lendas, foi esposa de Ogun e de Xango, hoje na nossa sociedade afro-brasileira, nos terreiros temos as danças que mistura sensualidade com gestos de guerra. Assim vejo que essa crônica tem um diálogo, muito pertinente, em que há possibilidade de um estudo comparado de bom grado afro-luso.Parabéns pela abordagem.

    ResponderExcluir
  29. Quando a gramática torna-se poesia, as letras se transmutam em fantasias! Literatura que nos salva desta decadente separação entre gêneros - que nos faz cirandar humanidades! Parabéns, escritor!

    ResponderExcluir
  30. Sempre aprendo com voce Meu Amigo! e adoro saber ! aprender,entender,o mundo torna-se melhor!. Pelo menos no meu mundo ,eu o torno melhor.! Obrigado meu amigo! adorei!

    ResponderExcluir
  31. M . Lúcio Freitas Ntsexta-feira, janeiro 20, 2012

    Prezado Romildo Sant'Anna...AS mulheres queriam conquistar um espaço, ergueram bandeiras feministas dizendo que eram iguais nós primatas, ate perderam a doçura e a feminilidade; porque não são iguais a nós e a imitação enfeiaram mulheres bonitas. Um imenso erro, quanta bobagem foi dita apenas para conquistar a igualdade de direitos, e provar capacidade na execução dos serviços ate então exclusivamente para homens Não apenas provaram capacidade, provaram superioridade em muitos setores à preferência para contratação é delas justamente por serem mais doces, sensíveis, amáveis e responsáveis.
    Gde abraço Lúcio

    ResponderExcluir
  32. Prezado Romildo, Parabéns pela sua reflexão sobre a "Soldado Feminino". As mulheres a cada dia estão conquistando maiores espaços e provando com sua docilidade a capacidade de realizar várias tarefas com excelência ao mesmo tempo, profissional, amante e mãe. Grande abraço.
    Luiz Tadeu

    ResponderExcluir
  33. Lendo em seu Blog, a publicação sobre o Soldado Feminino, os ditos elogios e abaixo os preconceitos, sem as distorções a que muitos levam, trata-se de um perfil de ser humano, por sinal muito interessante, onde se enquadra de uma forma tão perfeita, que não fazemos distinção quanto a questão sexual no exercício de uma atividade tão mais diferenciada, onde predomina mais a força máscula viril e a coragem, mas que hoje pela nossa própria evolução, vemos também na área operacional, mulheres que são "soldadoras" e desempenham as funções de uma forma perfeita, ótima reflexão amigo Romildo Sant'Anna
    Pedro Rombola

    ResponderExcluir
  34. Espetacular meu amigo!
    Que delícia poder sempre encontrar "vida inteligente" na web de luizas e bbbs e ver tantos comentários positivos - sinal de que as porcarias já saturaram a todos!
    Publique mais, escreva mais, nos brinde com sua luz todos os dias!
    Parabéns! Lindo texto!
    abraços e ótima semana!!

    ResponderExcluir
  35. Tudo bem com você, as policiais adoraram aquela sua homenagem no seu Blog inclusive a Coronel Maria Yamamoto Chefe da Comunicação Social da Polícia Militar. Abraços e conte comigo para o que precisar!

    Coronel Pedro Ribeiro

    ResponderExcluir
  36. Bom é apelido. Que felicidade poder recuperar o contato com suas ideias e seus escritos, mestre, depois de tanto tempo. Como já lhe disse na mensagem, mas repito pra tornar público, até hoje suas aulas são referências para as minhas. Já fui correndo ler sua postagem no blog e pude (re)constatar em mim aquela mesma admiração de quem assistia à sua palestra sobre o feminino em Chico Buarque emocionada. Essa sua sensibilidade em relação ao feminino é bacana demais. Hj sou instrutora de Yôga de uma linhagem tântrica, o Swásthya, e posso ver claramente que vc é tântrico, baseia-se numa visão de mundo e de comportamento matriarcal, sensorial e desrepressora :) Bom, enfim, mando uma retribuição de energia boa aí pra você, desejando-lhe vida longa e feliz. Adorei, adorei, adorei o texto. Viva as soldadas!!!
    Víviam Nálio

    ResponderExcluir