domingo, 5 de agosto de 2012

O FOCA







Jânio de Freitas e Paulo Francis




A foca é bicho de águas salgadas, faz festa nos aquários e sessões da tarde. Dizem que é inteligente e faceira, mas nunca entendi o porquê daquela carinha de alegria: tem as barbatanas curtas, achatadas, e se locomove em contorções. Semelha a um desses seres em eterna transição anatômica.  Seu nome, usado como substantivo de dois gêneros, designa também o/a jornalista em começo de carreira. Os dois mamíferos não teriam interesse nesta crônica, não fosse “o foca” a redenção viva da imprensa em geral.




Bóris Casoy e Carlos Castelo Branco
  

Simpatizo-me pelo foca. Sempre se incumbe de reportagens chatas. Eu mesmo fui um foca, nos idos da ditadura. O editor do Diário pautou-me matéria em um cárcere, sobre a vida dos detentos. Lá fui, vestido de coroinha, três sábados seguidos, às 4 da tarde, a ajudar a missa que um padre italiano rezava no presídio. Voltava com um balde de cartas que os presos me confiavam, driblando a censura da chefia. Quando não envelopadas, lia-as por curiosidade mórbida. O foca é um eterno curioso, e essa é uma de suas qualidades mais fecundas.



 Élio Gáspari e José Hamilton Ribeiro



Bluff Your Way in Journalism, de Nigel Foster, sobre gritantes equívocos dos jornais, jornalismo e jornalistas (cito o título em inglês pra fingir que li no original; os que já foram foca têm constantes recaídas de foca). 




Clovis Rossi e Glória Maria



Como dizia, em tal livro se afirma que o foca-homem sofre de acne terminal, o que parece verdade e suscita anedotas na redação. Mas, por maldade ou machismo, assevera que a foca-mulher está sempre atenta contra o assédio sexual e, em muitos casos, fica frustrada quando isso não lhe acontece.



 Millôr Fernandes e Alberto Dines




Um dom agregado à condição de foca é a arrogância e presunção, diz o livro. Seja qual for o assunto, dá sinais de entendido. Diante dos acontecimenos que serão notícias, manifesta longos silêncios, como que a dissecar as segundas intenções dos personagens envolvidos.  Nas entrevistas, olha o interlocutor com suspeitas, e, ao redigir o texto, enfatiza entre aspas tropeços do entrevistado. Nesse ponto, há que se lhe acrescentar mais um toque de personalidade: o foca quase sempre é do contra e exerce o autoritarismo dos novatos.




   Reale Júnior e Salete Lemos



O foca, foca mesmo, adora jargões em inglês dos cursos de jornalismo. Esnoba “hard news”, “leads”, “on”, “off”, “press release” e “briefing”. Mas, plantado no instinto, com atributos peculiares do foca, é o que vai tornar-se o jornalista que se preza, de honra. Incorpora a ação altruísta que só germina no fulgor da juventude. E se faz locomotiva a noticiar o tempo que transforma, canal de denúncia à torpeza dos rudes, fermento de coragem, idealismo e civilidade.




Tim Lopes e Zuenir Ventura




Wladimir Herzog