quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

NOS TEATROS DA VIDA









Hugo Chávez, tempos atrás, injuriado com a derrota em plebiscito que lhe aumentaria o poder, traduziu num resmungo o que lhe parecera o triunfo da oposição: “Victoria de mierda!”. Inda quentes de hálito, suas palavras saltaram direto às manchetes, blogs e editoriais. Sublinhava-se o histrionismo do ditador venezuelano. Óbvio, o coronel-presidente não usou o vocabulário adequado à relevância dum estadista e talvez tenha escorregado um pouco mais na gangorra da civilidade. Mas, como de néscio só tem o de costume, valeu-se dum termo rude, porém simpático ao povaréu alienado.






Gentes, palavras e duplos sentidos. Ao fustigar os adversários, Chávez remoía por dentro a sensação de que o resultado eleitoral lhe fora uma porcaria. “Mierda”, derradeira exclamação dum velho desolado em Ninguém Escreve ao Coronel, de García Márquez, era de fato o que disse, e muito mais como explosão interior. Correlativamente, “mandar alguém à m.” não é imperativo de que o interlocutor se dirija à coisa referida.

Em teatro, nos anos de chumbo, m. figurava na lista das palavras malditas entre os inomináveis agentes da ditadura. Além de os textos serem mutilados, as  encenações  eram submetidas  a  censuras prévias.  Para isso, desembarcava não sei donde um tipo gordo em terno preto, que cochilava nas apresentações só pra ele. Porém,






como um robô aturdido, estatelava os olhos ao ouvir um m. "Por que não vetaram essa b. lá em Brasília?” – resmungava.  Propúnhamos-lhe acordos: a barganha de três m. por um fdp, importante numa cena. Se concordasse, festejávamos a “victoria de mierda”, com a sensação de que o preservador da moral e bons costumes fizera-se o amigão das artes, nos teatros da vida.






“Merdre!”, derivação prosódica de “merde” em francês, e dita exclamativamente, é a primeira palavra da peça Ubu Rei, de Alfred Jarry, dramaturgo na virada ao século 20. Lacônica, sintetizava indignação contra as tiranias de seu tempo, metáfora da estupidez reinante. O autor sucumbiu pelo atrevimento do signo, mas, há mais de um século, seu famoso texto sobrevive.





São tabus nos camarins teatrais os votos de “boa sorte”. Bate-se na madeira esconjurando o azar. Para os bons augúrios, o elenco se abraça e deseja m. a todos. Explica-se a superstição: Quando uma peça fazia sucesso, os sinais visíveis eram as muitas carruagens defronte dos teatros. E ali, os cavalos deixavam seus estrumes, a indicar casa lotada. Tudo encenação no mundaréu dos signos. Em paralelo, a vida real encena seus enredos, com a multidão de seres do bem e alguns da falange dos ínfimos. Esses, pálidos de virtudes, realmente fedem.








47 comentários:

  1. Grande Romildo Santanna, nessa Crónica , verdadeira, brilha em suas mãos inspiradas pelo seu conhecimento nessa àrea do Teatro. Parabéns, amigo! . Gostei disso : " Explica-se a superstição: Quando uma peça fazia sucesso, os sinais visíveis eram as carruagens defronte dos teatros. E ali, os cavalos deixavam seus estrumes, a indicar casa lotada. Tudo encenação no mundaréu dos signos. Em paralelo, a vida real encena seus enredos, com a multidão de seres do bem e alguns da falange dos ínfimos. Esses, pálidos de virtudes, realmente fedem."

    Abraços
    Vera Mussi

    ResponderExcluir
  2. Rô,
    Na minha próxima encarnação (penso que ainda vai demorar) eu desejo nascer com a sua verve, com a sua fecúndia ao se expressar. Será que pode ser?"ELE" vai permitir? Se não me for possível, então, eu não volto!
    com o carinho de sempre,
    Jocelino Soares

    ResponderExcluir
  3. É muito bom saber! Conhecia o significado ("boa sorte"), mas não a origem da expressão. Sempre agradecida, amigo (e eterno orientador). Bj.
    Alessandra Possato

    ResponderExcluir
  4. Grande texto! Marca registrado do velho Romildo! Parabéns, de novo.José Carlos

    ResponderExcluir
  5. Amigo Romildo, suas crônicas quando lidas são raros momentos de prazer cultural. Sempre transmitem sabedoria. Agradeço a sua boa vontade em postá-las.
    Grande abraço.
    Del Nero

    ResponderExcluir
  6. Parabens Romildo! Muito boa essa cronica !Abracos Jeanne Gantman

    ResponderExcluir
  7. Obrigado, Romil... Acho que fui o primeiro a ler... Adorei... Inclusive admiração pela espirituosa frase que a menina destacou, sobre a origem da palavra "merda" como desejo de sucesso em cada atuação teatral...
    Hugo Ramón Barbosa Oddone

    ResponderExcluir
  8. AS PALAVRAS FLUEM ,QUANDO SAEM DAS MÃOS DE PESSOAS COM A MENTE PRIVILEGIADA COMO A SUA...AMEI E VOU RECOMENDAR A TODOS LEREM...FIZ JAZZ UMA ÉPOCA E FUI CONVIDADA A FAZER UM NUMERO NO NOSSO TEATRO MUNICIPAL..CONVITE FEITO ,CONVITE ACEITO...TODA MAQUIADA,PRONTA PRA ENTRAR NO PALCO,VEM O PROFESSOR DE DANÇA ,BATE NA MINHA MÃO E GRITA :M...
    EU ,NOVA DEMAIS,FIQUEI TREMENDAMENTE PASSADA E ESTARRECIDA..HOJE RIO MUITO, AO LER UM TEXTO ASSIM COMO O SEU,E RECORDAR DE MIM ...RSSS
    PARABENS ROMILDO...

    ResponderExcluir
  9. Caro Romildo, obrigado pela lembrança, gostei muito. É sempre prazeroso ler bons textos e os seus são, inclusive, irretocáveis. Muita m. p vc sempre!!

    ResponderExcluir
  10. Edmilson Gaspar de Melosexta-feira, janeiro 27, 2012

    Cada vez melhor escriba do nosso ver e sentir!

    Grnde abraço, mestre.

    ResponderExcluir
  11. Fantástica a sua habilidade com a história e narrá-la de maneira humorada e descontraída, não deixando escapar na Romildo. Vou visitar mais o seu blog e indicá-los para amigos. Parabéns mais uma vez.

    Hunfrey Borges.

    ResponderExcluir
  12. Professor Alquimista Romildo, transformando palavras de adubo em ouro. Sensacional.
    Grande abraço, Fernandão

    ResponderExcluir
  13. Agora entendi porque você é tão cheiroso..é que na vida real você é muito "gente" e do bem!
    Parabéns pela crônica e pelo seu coração. Bjos

    ResponderExcluir
  14. Incansável Romildo....Feliz daquele que sabe e transmite o que sabe, sem guardar exclusivamente para si! Lembrei-me da década de setenta, quando tínhamos que 'antecipar' a apresentação para aqueles "homens de preto" darem seu veredicto se poderíamos ou não levá-la para os palcos....Nossa geração está mesmo vivenciando momentos extremamente especiais nestas décadas de transição e verdadeiras transformações sociais no Brasil...Parabéns, amigo! Abçs saudosos!!!

    ResponderExcluir
  15. Muito bacana, gostei muito! Obrigada e tudo de bom pra você! bjs
    Rita Arruda

    ResponderExcluir
  16. Excelente crônica !!Conhecia a existência da expressão no meio teatral, mas não sua origem!
    Marcia Regina S. Porto

    ResponderExcluir
  17. É o teatro da vida as vezes nos prega algumas peças, que rimos e outras que choramos, mas tudo é passageiro, e só nos resta curtir e aprender um pouco mais, como posso lhe dizer sempre serei uma eterna aprendiz...
    Sueli Onuki

    ResponderExcluir
  18. A lucidez de sempre associada à inspiração do novo Amor. Parabens!
    Miguel Zeratti Filho

    ResponderExcluir
  19. Parabens voce escreve maravilhosamente bem,
    Fátima Cruz

    ResponderExcluir
  20. gostei muito!! Sua escrita é perfeita, e nada como aprender!!! Obrigada, e já estava sentindo falta das suas crônicas. Um ótimo final de semana.
    Silvia Regina Hage Pachá

    ResponderExcluir
  21. Legal Romildo, li seu texto, ótimo e de excelentes associações. Gostei muito ! Beijo

    MARCO AURÉLIO BRESEGHELLO

    ResponderExcluir
  22. Você torna uma assunto tão interessante,
    me ensina muito e adoro o seu blog,
    grande abraço
    Marcelo Lopes

    ResponderExcluir
  23. Oi Romildo, tenho visitado o seu blog ultimamente e gostado do que voce escreve. Estou até compartilhando com amigos, se vc me permite.

    CARLA NAJAR ADDINY ZIROLDO

    ResponderExcluir
  24. Muito bom seu texto,Romildo!
    Conhecia a palavra de boa sorte no teatro,mas não sabia sua origem.
    Você é brilhante!Parabéns.

    Marta Mazzotta

    ResponderExcluir
  25. Romildo,
    Lhe parabenizo pela bela crônica!!!!!
    Me remete aos bons tempos do teatro amador de Rio Preto, muitas merdas.... já desejamos aos nossos companheiros!!!
    Com estima,
    Neiva Ortega
    Floripa/SC

    ResponderExcluir
  26. Os folhetins da Globo sã o teatro possível em um país de mierda,bullshied,merde,ou seja nas várias línguas.Eleição recente mostra que,em termos de aceitação,Dima e Teresa Cristina(Fina Estampa)estão em..patadas dos cavalos das carruagens brasileiras.

    ResponderExcluir
  27. Homem de Deus! Como vc escreve bem! Eu me reverencio diante de vc e de suas palavras tão bem colocadas, tão inteligentes, irreverentes e cultas! Adorei a crônica "Nos teatros da vida". Comentamos aqui em casa (eu e filhas).
    Muito obrigada por este acréscimo cultural.
    Continue fazendo sucesso! Vc é o cara! Abraços.

    ResponderExcluir
  28. Adorei! Gosto muito do que vc escreve,sou fã do seu trabalho,vou sempre dar uma passadinha no seu blog para ver o que há por lá!Bj!

    Sandra Issas Moura

    ResponderExcluir
  29. Amigo querido e grande escritor brasileiro, só mesmo um gênio para tratar com tanta criatividade e engenhosidade um texto a partir do tema que vc escolheu. FANTÁSTICO!Leitura deliciosa . Vou compartilhar. saudades.
    RAQUEL VOLPATO SERBINO

    ResponderExcluir
  30. SHOW! Talento puro!
    "Será que o Hugo sai dessa moita?rsss
    Abração Romildo. Parabéns

    Araguaí Garcia

    ResponderExcluir
  31. A merda também tem história. A merda não é uma merda qualquer. O policial que atirou e tirou a vida de Robespierre, durante os anos de Terror da Revolução Francesa, respondia pelo nome de "Merde"... Excelente crônica. Zémanoel

    ResponderExcluir
  32. Parabéns Romildo, mais uma lição pra nós simples mortais! Abraços Capitão Pedro Augusto.

    ResponderExcluir
  33. Tema inusitado tratado com história e cultura.
    Que delícia de texto.Abraços Cecilia Cristina

    ResponderExcluir
  34. Luiz Aurélio Fedozziterça-feira, janeiro 31, 2012

    Mais uma maravilha do Romildo.

    ResponderExcluir
  35. Olá Romildo, gostei muito....como sempre, unindo diversão e conhecimento...para nosso deleite...beijo

    Solange Tomazeli

    ResponderExcluir
  36. Gracias Romildo... aprecio tu regalo; me encanta como escribes!!! Jajaja...es un esfuerzo agradable, ademas el traductor me ayuda mucho!!!

    Jacqueline Luzardo

    ResponderExcluir
  37. Que delícia de texto.

    Cecília Marques dos Santos.

    ResponderExcluir
  38. Impossivel não gostar....d+ suas obras...bjo qrido!"

    Cinthya Whitacker

    ResponderExcluir
  39. Parabéns pelo blog! Nao poderia ser diferente por voce ter tanto conhecimento.

    ALESSANDRA VERDI

    ResponderExcluir
  40. ROMILDO
    LER VOCE É PURO PRAZER,
    TUDO TEM SUA GRIFE.......MERDA,MERDA PRA VC.
    BJS.
    MIGUEL JABUR

    ResponderExcluir
  41. antonio jesus silvasábado, fevereiro 04, 2012

    Show de texto, meu amigo! Do chavez de mierda à merda do teatro é só inspiração! Saudade do teatro que um dia fizemos... juntos! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  42. Grande Romildo!Amigão de longa data.... sinto saudades, e te admiro muito! Remember "Zoo Story"!

    ResponderExcluir
  43. Parabéns Romildo. Muito interessante seu blog.
    Beijos

    http://blogdacatherine.com.br/

    ResponderExcluir
  44. Quanta riqueza, por aquí! Em se tratando de Teatro, quanto maior um obstáculo, maior a repercussão, se a peça não incomoda, não atingiu o objetivo, enfim, teatro bom é teatro polêmico. Na Inglaterra se diz "break a leg"- quebrar a perna- em sinal de sorte. E teatro é isso, os nossos contrários. Um beijo!

    ResponderExcluir
  45. Romildo,muito bacana seu blog...alem de interessante e criativo.
    bj grande da mara

    ResponderExcluir